Reino da Antillia

From MicroWiki, the micronational encyclopædia
Jump to: navigation, search
Reino da Antillia
Rein dantilia (Português antilliano)

Outra.jpg
Bandeira
Antilliacoat.png
Brasão

Motto
Sete ciudad, uno rein
Sete cidades, um reino (Português antilhês)

Mapaantillia.png
Localização de Antillia e Roillo (verde escuro)
no meio do Oceano Atlântico (branco).

Capital Aira
Cidade mais populosa Roillo
Língua oficial Português antilliano
Gentílico Antilliano;
Antilliana

Governo Monarquia federativa
- Rei Hellio III Unvaloy
- Premier Jigrote Dante de Roillo

Formação 735 AD
Área 91.890 km²
População 7 400 000 hab.
Moeda Escudo antilliano

O Reino da Antillia, oficialmente, Monarquia Federativa da Antillia ou simplesmente Antillia é um país situado no meio do Oceano Atlântico. Tem uma área aproximada de 92.000 km² que durante a sua vasta e extensa história veio se alterando principalmente após os eventos do Maremoto de 1740. Sua população é demograficamente baixa tendo sido contabilizados cerca de 7 400 000 indivíduos registados como cidadãos antillianos em 2011. Atualmente é um estado-incógnito, não pertencendo a nenhum continente demográfico, contudo as Nações Unidas reconhece Antillia como um estado europeu resultante da conquista portuguesa entre 1429 a 1821.

Etimologia

O termo "Antillia" é provavelmente derivado da palavra portuguesa "Ante-Ilha". Pode estar referenciada à crença de que a ilha encontra-se directamente do lado "oposto" ao continente ("Portugal") como geralmente terá sido representada nos mapas marítimos instituídos pela Lenda das Sete Cidades. O seu tamanho e estrutura parcialmente rectangular é a representação oposta a Portugal no que muitos sugerem que o termo "Ante-ilha" pode ser ainda mais antigo que a própria lenda, possivelmente significando "Aprositus" ("a inacessível"), nome representado por Ptolomeu numa das suas histórias sobre as Ilhas Afortunadas.

História

Formação (720 - 740)

Existem teorias de que o Reino da Antillia fora então fundado a 735 AD na altura em que o Reino Visigótico tinha entrado em colapso resultante das invasões muçulmanas iniciadas em 711 AD que avançaram inexoravelmente até ao norte peninsular. O então Arcebispo de Porto-Cale querendo esquivar-se à dominação muçulmana, deliberou partir para a grande terra das "Sete Cidades" que os marítimos lhe asseguravam existir no meio do oceano ocidental. No ano de 734, o arcebisto, acompanhado por outros 6 prelados, aos quais se juntaram cinco milhares de fiéis, embarcou-se numa frota de vinte veleiros.

Deram então de caras com a tal ilha que logo decidiram acomodar-se, queimando seus veleiros para lá permanecerem isolados dos eventos europeus. Cada um dos bispos fundou uma cidade em baías que, curiosamente, teriam-se formado nas zonas costeiras das ilha, os nomes destas cidades ficaram então: Aira, Antuad, Ansalli, Ansesseli, Ansodi, Ansolli e Con.

Apesar da crónica narrar que a frota chegou sã e salva ao seu destino, e que muita gente se preparava para seguir, na verdade o rasto do bom arcebispo, se alguma vez existiu, perdeu-se totalmente na noite dos tempos.

Reino neo-visigótico (740 - 1429)

Logo após a primeira colonização pelos ditos visigodos, o reino permaneceu, assim como na península ibérica, um reino cristão, adotando assim todas as tradições que tinham quando no continente principal. Durante a Dinastia de Covraconde a monarquia era electiva, ou seja, os reis eram eleitos pelos representantes das 7 províncias (mais tarde 8 com a adição da ilha Roillo), até o ano 995 onde o rei Illieu I Covraconde instituiu uma monarquia hereditária que originou grandes combates armados em instinto de revolta, contudo, a decisão foi delineada permanentemente em 1001.

Durante este período, Antillia teve muito pouco contacto com o continente europeu e com o restante à sua volta. Em consequência a ilha foi praticamente esquecida na península ibérica dando origem a histórias fantásticas e lendas alusivas ao continente perdido da Atlântida e às ilhas afortunadas. Apenas duas dinastias passaram pelo trono antilliano neo-visigótico sendo que a ultima das duas, a Dinastia de Aknothep é curiosamente uma linhagem hibrida antilliana da civilização egípcia que diziam serem "Descendentes de Hórus". Resultante desta mistura, a cultura antilliana fora então, bastante influenciada pelas tradições egípcias mais concretamente após o inicio do século XIV.

Estado português (1429 - 1821)

Bandeira utilizada por Antillia portuguesa entre 1430 a 1821.

Após o inicio da Era dos Descobrimentos Portugueses em 1415, era evidente de que os marinheiros liderados pelo Infante D. Henrique iriam estabelecer contacto físico com Antillia. E foi então que Diogo de Silves em 1429 após os primeiros contactos com o Açores estabeleceu o primeiro contacto com a ilha. A principio a população antilliana ficou bastante empolgada até que o rei da altura, Mantua III Aknothep fez um comunicado contra os exploradores. A poucos convenceu o que foi bastante negativo para o reino que na altura estava em crise política e, com a dinastia já quase escassa. Isto resultou de uma anexação por parte do Reino de Portugal que originou-se num golpe de estado contra Mantua III, o ultimo rei neo-visigótico de Antillia.

Antillia então passou a ser governada pelos reis lusitanos, servindo de um grande centro comercial europeu que fez com que Portugal controlasse cerca de 80% de todo movimento comercial em toda a europa, mais propriamente entre a península e África. Também ajudou bastante na administração das colónias do Brasil e em Angola, que como destino teve o mesmo fim. A 1821 conseguiu independência do Reino de Portugal após varias tentativas de revolta contra os governadores portugueses. Isto veio exactamente a calhar na altura em que Portugal estava enfraquecido devido ás invasões francesas.

Monarquia federativa (desde 1821)

Com os eventos da Revolta Independentista em solo antilliano, e, com os governadores portugueses expulsos, o já avançado Partido Monárquico Antilliano elege então o pretendente ao trono com linhagem directa a Mantua III Aknothep por vias de uma linhagem europeia, daí formou-se a Dinastia Unvaloy a atual casa reinante de Antillia. No ano seguinte de 1822 o recém-eleito rei Hellio I Unvaloy decide instituir uma monarquia federativa onde as 8 províncias: Aira, Antuab, Ansalli, Ansesseli, Ansodi, Ansolli, Con e Roillo, elevariam-se a condados federais cada um com um representante no Conselho de Estado Antiliano em norma electiva ao contrário da forma hereditária da figura representante da nação, o rei.

A ideologia politica de Hellio resultou nos conformes até que o seu sucessor, Hellio II Unvaloy, viu-se demasiado atarefado com os assuntos diplomáticos causados pelo começo da Primeira Guerra Mundial e com a polémica entrada de Antillia entre os combatentes, que, decidiu criar um posto de Premier para o auxiliar nas questões económicas bem como políticas. Antillia é um estado-membro da União Europeia desde 1986 juntamente com Portugal e Espanha, no entanto assim como o Reino Unido não entrou na zona euro em 2002, usando o Escudo antilliano desde 1825 alguns anos após a independência.

Política e Governo

Subdivisões

Condados federativos de Antillia
Bandeira Brasão Província Código Região Capital População
(censo)
Área (aprox.) Idioma(s) Governador Sub-Premier Assembleia
Províncias
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Aira
AIR Novo Alentejo Aira  ?  ? Português antilliano Juliano de Aira Logis Dante
(PMA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Antuab
ATB Planalto Antuab  ?  ? Português antilliano Yairo Hoje Opioo Dianna Sussettee Dante
(PMA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Ansodi
ASD Costa Prata Ansodi  ?  ? Português antilliano Taniel Darnel Andy Shiran Ansei
(PMA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Ansolli
ASL Costa Prata Ansolli  ?  ? Português antilliano Digo André Duxe Mónicá Silve
(PMA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Ansalli
AAL Distrito Sul Ansalli  ?  ? Português antilliano
Visigótico
Alexandros Pratazul Alexandros Pratazul
(FLA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Ansesselli
ASS Rio Ansesselli  ?  ? Português antilliano Sancho Sanches Sancheller Pravado Uriel Sanches
(PMA)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Con
CON Mayda Cidade de Con  ?  ? Português antilliano
Visigótico
Lyncylr Travacova Gastão Rá
(PMA-PMC)
Conselho de Estado
Noflag.png Nocoa.png Condado de
Roillo
ROL Roillo Cidade das Flores  ?  ? Português antilliano
Visigótico
Nebuchenazzar Lyncylrvacrasthep Rá Nebuchenazzar Lyncylrvacrasthep Rá
(FLA)
Conselho de Estado
Regiões Autónomas
Noflag.png Nocoa.png Região de
Nova Lisboa
NVL Planalto Nova Lisboa  ?  ? Português antilliano
Visigótico
Casthep Zaza Rá Cristobal Covolan
(FLA)
Regional